Chuteiras da Alegria

Publicado em 19 de junho de 2014

PS: Blog escrito no Malawi e mantido a versão original de tempo datas e situações, com os erros de escrita e as dificuldades de expressão, na qual eu utilizava um celular para digitar todos os textos e manter minha família e amigos atualizados.

Enfim cheguei no Malawi mais precisamente Lilongwe Capital do Malawi, passamos o dia todo lá, a capital não é muito animadora, muito pouca desenvolvida, comparada com cidades bem remotas do estado do Paraná.

Chuteiras da Alegria

Para quem não conhece, é um País de pequeno território comparado ao nosso Brasil é bem menor que o Paraná porem possui mais habitantes, ou seja é superpovoado. Faz fronteira com Moçambique, Zâmbia e Tanzânia. A Areá de aproximadamente 118480sq Km. Com uma populacao de um pouco mais de 14.000.000 habitantes, Aqui eles dividem o País somente em Sul, Centro e Norte, o país é relativamente estreito para dividir em outras partes. Ele está entre os 20 países mais pobres do mundo

A economia é a base da Agricultura: produzem principalmente Chá, Cana de Açúcar, Milho e Tabaco.

 

Mais de 60% da população vive em área rural, algo praticamente impossível de se encontrar nos dias de hoje. A expectativa de Vida da POPULACAO e assustadora: 37 anos Para os Homem. E 42 anos de idade para as MULHERES.

A moeda Oficial  Malawian kwacha (MK) na qual sofre com a desvalorização constante. Com 1R$ real você pode comprar 350Malawian kwacha.

 

O país foi colonizado pelos Ingleses, mas somente nas cidades principais você encontra a pessoas que falam inglês, na área rural, eles falam Chichewa, a língua nativa deles a qual é extremamente importante aprender para sobreviver e poder se comunicar nestas áreas.

Chuteiras da Alegria =D

Vou ficar no DAPP – Departamento de AID da Humana People to People até segunda feira, aqui vou aprender o resto necessário para sobrevivência e respeito com a população local, e fazer alguns ajustes finais, tem alguns voluntários, a grande maioria europeu, muito bom para fazer novas amizades e escutar novas historias.

 

Segundo dia no Malawi: Estou muito feliz hoje que consegui comprar um SIM CARD para o celular e consigo receber ligações do Brasil como SMS. Isso me deixou muito mais próximo da minha família e meus amigos.

 

Quando voltei da cidade para o DAPP, resolvi correr para conhecer  a comunidade ao redor, e logo no primeiro quilometro encontro com um campo de futebol bem precário de barro e o arco de madeira, então tento pedir para participar, mas ninguém que estava jogando falava inglês, somente a língua local Chichewa, e eu somente sei Ola, como você esta muito obrigado e coisas do gênero na língua local como Meu nome e Jonas (Dzina langa ndi Jonas), então parti para a linguagem universal dos sinais, nos entendemos e jogamos bola por uns 30 minutos, algo muito legal com uma energia muito boa e com o povo africano muito forte tinha que chegar firme para não cair ainda mais como o campo era de barro e estava chovendo cair era a coisa mais fácil, consegui essa façanha algumas vezes, hehe,

 

Depois dei tchau e continuei a correr, a sensação de correr entrar na mata descalço, tendo a terra fofa vermelha umedecida pelas gotas de chuva como seu melhor amortecedor, e a cada metro que eu entrava mais e mais curiosos ficavam os moradores fazendo gestos e gritando algo que eu tentava identificar como Muzumgo que significa Homem branco, e também como você esta in Chichewa, eu tentava responder com um grito na mesma sonoridade alegria contagiante que recebia, mas com o passar do tempo o fôlego foi acabando e a sonoridade foi diminuindo, então percebo que esta na hora de tentar voltar pelos labirintos das estradas, me perdi uma vez no trajeto mas como percebia muitas pessoas vindo de um mesmo caminho tomei aquela direção até encontrar o alojamento, chegando aqui muitos me perguntaram o que acontecera comigo, pois estava totalmente tomado pela terra vermelha que pintava o meu corpo e envolvia meus pés como um nobre calcado de veludo.

 

Me encaminhei direto para o banho, e lá a surpresa, onde esta a água fria que me esperava ontem, hoje custou a aparecer, resolvi caminhar ate o alojamento, e la sim encontrei, tomar banho em água gelada com o calor da África é como lavar a alma, o banho é rápido para evitar desperdício mas a reflexão é longa, você recupera e voltar agradecido com um dia terminado.

 

Terceiro dia: Hoje a chuva insiste em nos ilhar, custamos a chegar aqui, devido aos atoleiros, e agora eu no alojamento central estou esperando ela diminuir para caminhar ate o meu dormitório que chamo de meu ate segunda-feira onde partir de então vou para Chikwawa começar meu projeto.

Chuteiras da Alegria

Do quarto: Voltei aqui para dizer boa noite, encontro-me em meu quarto e um pernilongo com oudacia me desafia estando do lado de dentro do meu mosquiteiro, isso é um mal sinal, isto quer dizer q existem buracos no meu mosquiteiro, realmente o fato de pegar ou não pegar malaria aqui estou crendo que é uma questão de sorte, você tem muitos métodos para se prevenir, mas a população transmissora de mosquitos é devastadora.

O que me basta é tentar pegar e matar esse pernilongo antes de adormecer.

Bom Carnaval a todos do Brasil que a minha jornada no Malawi apenas esta começando.

Abraços

Jonas Kaz.